CINEMA | RESENHA | ESQUADRÃO SUICIDA

suicide-squad-new-poster

NOTA 7 DE 10

O filme cumpre o que se propôs desde o primeiro trailer*, apesar das criticas negativas. O New York Post, por exemplo, afirma que o filme não passa de um trailer de 2 horas e falha do início ao fim (apesar de suas próprias falhas básicas na analise, que erra até na minutagem das cenas). Gerando revolta em muitos fãs do filme, ou apenas leigos que acharam o filme mediano.

Mas por que motivo isso ocorre? Tamanha discrepância entre os críticos e os espectadores?

Alguns esportes tem a qualidade como marca de vitória, não quantidade (gols, por exemplo). Para isso, usam um método analítico para quantificar a qualidade, que vem se aperfeiçoando ao longo do tempo. Primeiro se analisa o que foi proposto, partindo de uma nota máxima possível (tal salto tem tal nota. Trazendo para o cinema, Jurassic World foi um filme “fácil”) a partir daí, analisa-se a execução dessa proposta (Jurassic World foi um filme fácil e bem executado, por isso julgo como bom. Por outro lado Terminador Genesys, outro filme fácil, mas de péssima execução).

Batman v Superman A origem da Justiça, propôs a batalha entre os dois maiores heróis da história (em consequência do Man Of Steel e depois da batalha a união para a justiça). Capitão América Guerra Civil, propôs o embate entre dois grupos dos vingadores (por conta da necessidade de regulamentação e cadastramento dos heróis, devido a destruição dos outros filmes). Se cumprem ou não é um outro caso.

*Mas e o ESQUADRÃO SUICIDA, O QUE SE PROPÕE E CUMPRE??

 

ESQUADRÃO SUICIDA propõe que um grupo de famigerados criminosos são reunidos para concluir algo que as autoridades comuns não teriam a segurança necessária para resolver. “PONTO” – NADA ALÉM DISSO. Então vamos la:

1º é um grupo de famigerados criminosos? SIM, o filme passa cerca de 35 minutos apresentando os principais criminosos, dando a eles um ar de notoriedade no mundo do crime. (comprei a apresentação, poderiam ser mais malvados, talvez o pg 13 atrapalhou)

Suicide-Squad-Comedy-Funny-Harley-Deadshot

2º são reunidos! nos 15 minutos seguintes (até o 50, aproximadamente) Amanda Waller apresenta a ideia de junta-los como uma força tarefa auxiliar, para combater forças que vão além do comum. (muito competente)

Suicide-Squad-Trailer-Airplane

3º Algo a ser concluído, a missão! o incidente motivador ocorre durante a formação da equipe. O ser poderoso que era controlado, se rebela e se torna incontrolável. Necessitando as pressas desse grupo. (ok, parece legítimo)

Suicide-Squad-3-2

Agora podemos analisar a execução:

A parte criativa visualmente foi muito bem feita. Desde o vilão até os criminosos.

O som e a mixagem são boas, apesar se que uma ou outra parte as músicas são frenéticas, mas lembre-se que essa é a assinatura da linguagem do filme.

As atuações são o ponto alto do filme, principalmente a Viola Davis (aka. Amanda Waller) e a Margot Mobbie (aka. Harley Quinn, aka² Arlequina). Sem esquecer o Coringa do Jared Leto, que faz uma breve participação no filme, para justificar e dar força para o arco da Arlequina no filme, NADA ALÉM DISSO! O FILME NÃO TEM NADA A VER COM ELE E NEM DEVERIA!

maxresdefault

O roteiro tem suas partes desnecessárias, mas principalmente por conta da edição que deixou o filme inferior em sua potencialidade!

Para completar, a direção de David Ayer foi muito boa, tanto na parte criativa quanto na direção dos atores. Deve ter tido problemas ao se adaptar ao PG13 (outros filmes dele como FURY, OS REIS DA RUA tinham mais violência e ajudavam a dar o tom certo aos filmes) e talvez assim a história não foi contada exatamente como ele imaginara. Mas mesmo assim conseguiu passar o que se propôs, não em sua completude. Por esses motivos

NOTA 6,75 DE 10

suicide-squad-team-crew-film-will-smith-adewale

CINEMA | RESENHA | CAPITÃO AMÉRICA : GUERRA CIVIL

8/10

Porque gostamos de Guerra Civil?

image

O sucesso de Capitão América: Guerra Civil nas bilheterias, onde fez mais de 250 milhões de dólares em menos de 10 dias (Lembrando que o filme ainda não estreou nos Estados Unidos onde geralmente os filmes da Marvel vou muito bem percentualmente) é inegável, mas também a crítica especializada (que destruiu a imagem de Batman v Superman para o público comum) vem colocando filme no Top 3 os filmes do universo cinematográfico da Marvel, mas por qual motivo?

image

O filme é uma sequência direta dos Vingadores: A Era de Ultron (lançado em abril de 2015), quando a formação clássica dos heróis se despede, e uma nova continua a combater o crime. Mas o filme também é uma (con)sequência direta do Capitão América e o Soldado Invernal (de março de 2014), onde Bucky ( antigo amigo do capitão, aka Soldado Invernal) desaparece depois dos acontecimentos que culminaram no fim da SHIELD e seu amigo Steve Rogers (aka Capitão América) vai atrás dele, pois acredita que ele ainda tem uma consciência mesmo após as lavagens cerebrais. Dada essa conjuntura, a história é construída nas consequências das grandiosas batalhas e desgraças dos outros filmes, e o que as desgraças (catastróficas sou individuais) causaram a cada um. (Similar à algum outro filme desse mesmo ano?)

image

O filme todo é muito bem canalizado nas emoções do personagem T’challa (aka Pantera Negra), que dá para traçar um paralelo muito bem delineado entre toda a história e as emoções dele durante o filme, apesar de não ser o principal do mesmo. Falando em principal, a trama é toda conduzida pelo Capitão América ( por isso é o terceiro filme dele)  e o Bucky em busca da sua ‘redenção’ (coisas além disso, mas não entregarei nada), apesar disso o tempo distribuído entre os ‘super-personagens’ é muito bem feito, cada um com sua característica explorada sem enrolações, tirando Tony Stark (aka Homem de Ferro) que tem o tempo de um verdadeiro antagonista (até porque o filme carece de vilões).

image

E é por isso que o filme teve boa aceitação de todos, depois de sete filmes em que Capitão América e Homem de Ferro estavam, gerando uma afeição maior com os heróis, ainda mais depois de lutarem juntos e uma tensão enorme quando esses dois se contrapuseram, formaram times e se bateram pra valer. Sem contar o fato da questão ideológica, as duas cenas que o assunto é dialogado (no meio do primeiro e do segundo ato) o filme se transforma momentaneamente em um papo cabeça que duraria horas numa mesa de bar, Mas aí vem as cenas de ação, dirigidas pelos irmãos Russo (que foi o ponto alto do filme Soldado Invernal) só que agora em escalas gigantescas (literalmente!), que se seguram graças às emoções inseridas no meio (de piadas, vinganças e a tragédias) (e aos excessivos efeitos especiais e liberdades poéticas de criação).

image

Nada de muito catastrófico que um final de filme da Marvel não fique tudo bem, sem querer estragar o final mas é assim como as coisas são para os heróis da Disney, e é por isso que faz sucesso. É um ótimo filme onde tudo acaba bem E durante te entretém fazendo você rir como uma ponta de tensão.
Cá entre nós, a Marvel sabe dosar o que o povão gosta, sem estragar para o nicho nerd Classico

image

(Fim do Vingadores… Tuuuuudo bem)

CINEMA | CRÍTICA | DEADPOOL

7 / 10

Primeiro vamos com o guia para idiotas, que é só no wikipedia pesquisar, seu vagabundo preguiçoso.
image

     “Deadpool foi criado por Rob Liefeld e Fabian Niciesa e apareceu pela primeira vez em 1991, como um vilão em New Mutants #98 (história que no Brasil saiu dentro de Os Fabulosos X-Men#584 em 1994). Foi inspirado no vilão da DC Comics Exterminador (Deathstroke), inclusive com seu nome parodiando o alter ego deste, “Slade Wilson”. Era originalmente um adversário dos Novos Mutantes e da X-Force.”
     “Wade Wilson, antes de ser Deadpool, era mercenario, e aceitava assassinar apenas aqueles merecedores da morte. Ele conheceu uma jovem prostituta chamada Vanessa Carlysle (também conhecida como Mímica) e se apaixonou por ela.”
     “Wade adquiriu seu fator de cura de Wolverine no projeto Arma X e teve seu câncer temporariamente detido, depois de se tornar cobaia desse programa de desenvolvimento super-humano administrado em parceria pelo governo americano e canadense.”

image

     Okay, agora que você ja minimamente e intimamente (mais ou menos, ele adoraria mais) conhece ele. Vamos à magia!

     Não só no filme, mas nos quadrinhos também, Deadpool quebra a quarta parede. Ihhh ,quarta parede você já começa a reclamar já ouvi falar em algum vídeo já internet … Okay.. Vou lá buscar no google e vomitar na sua cara um pouco.
image

     “O ato de derrubar a quarta parede é usado no cinema, no teatro, na televisão e na arte escrita, e tem origem na teoria do teatro épico de Bertolt Brecht, que ele desenvolveu a partir e, curiosamente, para constrastar com a teoria do drama de Constantin Stanislavski. Refere-se a uma personagem dirigindo a sua atenção para a plateia, ou tomando conhecimento de que as personagens e ações não são reais. O efeito causado é que a plateia se lembra de que está vendo ficção e isso pode eliminar a suspensão de descrença.”

image

     UFA, foi um grande ctrl V aqui. Espero que não tenha desanimado com o texto.
Porra mas esse cara ta falando de teatro… Stanislavski.. THAFUCKK?? .. Okay, trarei para um filme clássico aaa não, lá vem falando de cinema francês, sueco, austríaco. CALMA, tenha fé em esse que vos fala. É o CURTINDO A VIDA ADOIDADO. Quando o malandro Ferrys Bueller (day off) mata a aula e vai curtir no centro da cidade com os amigos. Enquanto rola essa epopéia ele fala com os espectadores do filme. Um pouco diferente do que Brecht esperava, não elimina a suspensão de descrença, não torna o filme (história) menos crível, pelo contrário. Ao meu ver, te introduz na história como se você estivesse lá. Não só o DIA ADOIDADO, como DEADPOOL.

     A magia da quebra da quarta parede torna as piadas muito mais engraçadas. Como se você estivesse vendo elas ao vivo em carne e osso na sua frente. E isso o roteirista (e porque não, o diretor) fizeram direitinho (OK, o Ryan Reynolds também). Meu medo é que algumas piadas fiquem datadas em um certo tempo… Não? Me preocupo a toa? OK

Não estragarina surpresas de vocês.. (quebrando a parede) que pode não ser ninguém.. Ou alguém.. Que esteja lendo isso aqui, para não me fazer um esquizofrênico.
image

Um bom filmes da Marvel, bem simplório com algumas falhas nas estruturas do roteiro. Ou seja, filme divertido. Ainda se compara com o Guardiões da Galáxia, mas é um filme bem divertido.

 

Publicado do WordPress para Android

CINEMA | RESENHA | Perdido em Marte (The Martian)

6,5 / 10

d96030352930124c4017f8d965c04d3982164505.jpg__0x1500_q85
SINOPSE : Durante uma missão tripulada a Marte, Astronauta Mark Watney é dado como morto após uma tempestade feroz e deixado para trás por sua tripulação. Mas Watney sobreviveu e encontra-se encalhado e sozinho no planeta hostil. Com apenas suprimentos escassos, ele deve contar com a sua criatividade, engenho e espírito de subsistir e encontrar uma maneira de sinalizar para a Terra que ele está vivo.
.
.
EQUIPE TÉCNICA : Dirigido por Ridley Scott (Blade Runner, Alien e Êxodo).
Roteiro de Drew Goddard (Guerra Mundial Z, O Segredo da Cabana e Cloverfield) baseado no livro homônimo de Andy Weir
Música por Harry Gregson-Williams (Shrek e Cronicas de Narnia)
Direção de Fotografia de Dariusz Wolski (Piratas do Caribe, Prometheus, Alice)
1E2FE3AD
CRÍTICA: O diretor renomado Ridley Scott, que surgiu para o mundo cinematográfico com o foco em ficção científica, como em 1979 com o Alien e logo depois em 1982 com o Blade Runner, passou a ficar acostumado a fazer épicos como Gladiador (2000), Cruzada (2005) e Robin Hood (2010) etc.
Com essas assinaturas fui assistir PERDIDO EM MARTE, com uma certa expectativa de épico ou ficção (ou até um junção desses estilos como foi [muito criticado] o PROMETHEUS), mas não, fui surpreendido.
O filme tem uma certa leveza, poucos momentos são tensos, pensei nisso durante o filme e logo me respondi que “mas, se tiver muitos momentos tensos ele irá morrer e acaba o filme. Não tem espaço para altos e baixos na trama”, ta aí o ponto positivo para o roteirista, que adaptou muito bem a obra do livro, deixando os poucos altos e baixos do nosso Marciano engatilhados nos pontos certos de cada ato (além dos altos e baixos vindos da terra e do espaço). Outro ponto positivo é a fotografia, okay que esses tipos de filmes (inter espaciais) são facilmente impressionáveis, mas tomadas ficaram muito bem feitas, principalmente no terceiro ato, tratarei disso brevemente no fim do texto.
screen shot 2015-09-15 at 2.26.16 pm
Falando em atos, o filme é longo e tem 2h21m, mas não fiquei aborrecido nem senti muito TODO esse tempo passar, méritos a direção e aos cortes, que intercalavam muito bem entre a Terra, o Espaço e Marte, o tempo de respiro e a tenção foram muito bem distribuídos. Sendo assim, o tom de grande parte do filme é ligeiramente leve, apesar da situação grave. Diria que o filme é bastante otimista, isso que me surpreendeu na escolha do Ridley Scott, além de não ter cenas muito épicas e nem de apreensão como nos filmes dele… MINTO, ele faz uma cena muito bonita, quando ficam embaraçados pela corta (não vou contar mais para não dar spoiler), mas a cena é bem linda, digna de emoldurar e colocar na sala dele.
The-Martian-2015
Matt Damon muito bom, assim como todo o elenco. Jessica Chastain, Michael Peña, Kristen Wiig, Jeff Daniels, Donald Glover, Sean Bean e Naomi Scott.
Para concluir. Gostei do filme, achei bem escrito, temas difíceis (ciência nível NASA) muito bem explicados, de um modo não muito didático (como se fôssemos retardados) e nem muito “jogado” (como se soubéssemos sobre o assunto). Não tem também muita explicação (enrolado) dos personagens durante o filme todo, não perdem tempo com isso (ótimo). É um triunfo da ciência e da NASA, não tão trágico e emocionante como APOLLO 13 nem é um blockbuster comum que nem Jurassic World, mas cumpre seu papel.
the-martian
ps, eu mudaria os últimos 4..5 minutos.. colocaria tudo em VOICE OVER e faria uma montagem rápida (flashs) com cada um. vocês irão entender.

nota – 70%

CINEMA | RESENHA | MAD MAX : ESTRADA DA FÚRIA

8 / 10

MAD MAX, UMA ODE À PRODUÇÃO!

Se eu te contasse o que Mad Max passou para ser feito, você não confiaria. O quanto tempo levou,  você não imaginaria. O quanto dinheiro gastou, voce não acreditaria.

Muito antes da incrível Charlize  Theron dominar seu caminhão e cruzar o deserto pós apocalíptico como a Furiosa com o indestrutível Max Rockatansky (Tom Hardy), o filme teve uma longa jornada até brilhar e encher nossos olhos no Cinema.

mad_max_fury_road_wallpaper_1920x1080_by_sachso74-d8r49ti
A mais de 10 anos atrás, em 2003 para ser mais exato, George Miller (Diretor da trilogia clássica Mad Max), estava já recrutando o elenco e começando a pensar george-miller-happy-feet-790x552na pré-produção do 4º filme da série, já intitulado como FURY ROAD (Estrada da Fúria). Já havia a ideia para roda-lo e 2001, mas os ataques às torres gêmeas atrasou. O problema em 2003 porém foi por conta da parte financeira (gravariam na Austrália e o dólar desvalorizou por conta da guerra no Iraque), o que fez escolher gravar a animação Happy Feet (oi? sim! ele dirigiu HAPPY FEET, dos pinguins).
Alguns anos depois, e com dinheiro e cronograma para isso, George Miller conseguiu finalmente ir para o deserto australiano, porém houve mais um revés para a gravação. CHUVA, sim, onde outrora era um deserto morto, vermelho e inóspito em Outback, no centro da Austrália, virou (depois de chuvas torrenciais) um gramado FURY ROADverde, adiando as gravação para o ano de 2011. Em 2011 o elenco principal já estava escolhido, os carros prontos, todo o design, porém as gravações só começariam em 2012 (enquanto isso o Happy Feet 2 estava estreando), em outro país, outro continente, Namíbia, na África.
Com todo esses problemas, a Warner estava preocupada com a produção do filme, por conta do filme ter chegado aos US$150 milhões de dólares em seu orçamento. Finalmente no fim de 2012 terminaram as gravações do filme. ufa!
DOIS ANOS E MEIO DEPOIS DE PÓS PRODUÇÃO
Fui ao cinema e assisti ao filme, no IMAX, maior tela possível, para ser justo com o G. Miller, e imergir no filme.
Lá (no cinema), vi um filme que começou com uma cena de perseguição

Sobre as  polêmicas do  filme, feminismo e tudo mais.

  Brevemente sobre a  história,  direção,  produção  locação, roteiro e  atuação.

Finalizando como o filme mais  completo de 2015 até então.

50/50 – Ficaadica cinema

Um breve texto/comentário/crítica do filme 50% ou 50/50 como preferir, vencedor (se não me engano) do Toronto International Film Festival do ano passado, um famoso estilo DRAMÉDIA (não é um drama na média, mas com comédia, enfim, entenderam né), onde o Joseph Gordon-Levitt (pqp ele ta bem demais muito bom ele nesse tipo de papel, um dia qro ver uma coisa diferente, tipo vilão e tal) está na pele de um rapaz de 27 anos, muito certinho, da pra ver na 1ª cena quando ele não atravessa a rua no vermelho pra pedestre, mesmo sem nenhum carro passando, ele nao dirige/nao bebe/faz exercicio/ trabalha numa rádio/ tem uma namorada (gostosa) q não está muito proxima dele (sécsemintende), e fica com cancer próximo a coluna (tem um puta nome dificil o cancer del)… enfim, tem partes BEM tristes e partes BEM engraçadas ( Seth Rogen ta aí pra ser esse alívio comico), o filme é bem legal, passa rápido, tem o que se refletir, gastei bem meu tempo assistindo ele..
Ps. a terapeuta dele é uma fofura, e muito bom dela q ela faz tudo ficar desconfortavel, quem viu entendeu.

enfim não vou contar mais do filme, vai assistir que é uma boa escolha,
ficaadicadesabado. 50/50

dou 4 *asteroides de 5 possíveis.

 

Marina ataca biografia de Dilma e diz Brasil não pode ser entregue a ‘quem não conhece’

FONTE : ESTADÃO por Jair Stangler em 27.agosto.2010 14:07:42

serra_marina_12072010

Em campanha no Sul do País, a candidata Marina Silva, do PV, fez críticas em relação ao desconhecimento geral sobre a biografia da candidata do PT, Dilma Rousseff. Em café da manhã em Curitiba nesta quinta-feira, 26, com lideranças do PV paranaense, Marina pediu ao povo brasileiro que “pense duas vezes” antes de fazer suas escolhas.

“Que o povo brasileiro pense duas vezes antes de entregar o futuro do Brasil para quem não conhecemos direito”, disse ela.

Marina fez uma comparação entre algumas figuras da política nacional para questionar a experiência de Dilma.”Nós conhecemos o presidente Lula, a gente conhecia o Fernando Henrique Cardoso, a gente conhece o Serra – eu discordo dele, mas conheço. O povo pode até discordar de mim, mas me conhece. Eu estou aí há 16 anos na política nacional”, afirmou Marina.

E em seguida concluiu: “Mas, com todo respeito à ministra Dilma, nós não conhecemos ela nesse lugar de eleita. Conhecemos como ministra de Minas e Energia, da Casa Civil e até respeitamos o trabalho dela, mas daí a ser presidente da República?”.

Ainda na mesma linha, a candidata do PV ironizou, sem citar nomes, a indicação que Lula vem fazendo em favor de Dilma. “Quem aqui que se casa só por que chega alguém e diz: ‘casa com esse moço, é uma maravilha de moço’? Não, a gente quer conhecer a pessoa primeiro, não é isso?”