SuperBactéria


Fonte: aqui copiei mesmo por que esse site é bom

Nas últimas semanas, a super-bactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KPC), resistente a quase todos os antibióticos, vem aparecendo nos noticiários, e cada dia aparece novos casos suspeitos.
Esta situação me remete a abril do ano passado, quando o vírus H1N1 estampava as capas de jornais pelo mundo inteiro, e praticamente cada morte era alardeada nos noticiários com se fosse o fim do mundo. A diferença desta vez é se trata de um bactéria que não é nova e o grande foco se encontra no Brasil. Nos EUAtambém há uma certa preocupação com a superbactéria, com um número de casos crescente em Chicago.
Hoje neste domingo, o ministro da Saúde José Gomes Temporão pediu tranquilidade em relação à proliferação da superbactéria Klebsiella pneumoniae carbapenemase (KCP): "A população fique tranquila porque essa é uma situação que acontece apenas em ambiente hospitalar e em pacientes debilitados — disse ele após participar de encontro na capital paulista sobre a definição de diretrizes para minimizar o risco cardíaco em pacientes em tratamento contra o câncer"
Não podemos ainda afirmar se
a preocupação é legítima ou se governo brasileiro está tirando proveito da situação para criar um clima de terror, muito conveniente levando em conta que estamos a poucos dias do segundo turno das eleições. Uma coisa é certa, esta bactéria criou tal resistência pela ingestão indiscriminada de medicamentos, coisa comum no Brasil. Não é de se surpreender, uma vez que as próprias autoridades da saúde recomendam o uso de medicamentos como a única forma de prevenir doenças. Podemos encontrar no site da Anvisa:

“Pela legislação brasileira, não é possível atribuir propriedades terapêuticas (tratamento, cura ou prevenção) aos alimentos, uma vez que são características próprias de medicamentos As atribuições que podem ser divulgadas para os alimentos são as relativas às suas características nutritivas, pois sua finalidade é fornecer ao organismo humano os elementos necessários à sua formação, manutenção e desenvolvimento.”

Imunidade Baixa e Vitamina D:
O Correio Brasiliense ressalta que "quem tem contato com o vírus só correrá o risco de contaminação se sua saúde estiver debilitada e ele estiver com a imunidade baixa”. Uma vez que é conhecido o papel da Vitamina D para a manutenção de uma boa imunidade, porque não se vê nenhuma autoridade médica indicando a complementação de vitamina D?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s